Resenha: O Sobrinho do Mago - As Crônicas de Nárnia


Viagens ao fim do mundo, criaturas fantásticas e batalhas épicas entre o bem e o mal - o que mais um leitor poderia querer? Nos últimos cinquenta anos, As Crônicas de Nárnia transcenderam o gênero da fantasia para se tornar do cânone da literatura clássica. Cada um dos livros é uma obra-prima, atraindo o leitor para um mundo em que a magia encontra a realidade, e o resultado é um mundo ficcional que tem fascinado gerações. Enganosamente simples e direta, "As Crônicas de Nárnia" continuam cativando os leitores com aventuras, personagens e fatos que falam a pessoas de todas as idades.

Todos já devem ter ouvido falar de As Crônicas de Nárnia. Seja pelos filmes que já foram lançados ou pelos livros mesmo. A série, que tem 7 livros no total, foi escrita por C. S Lewis, e publicada entre 1950 e 1956. Mas, você vai ler hoje sobre a primeira obra da saga: O Sobrinho do Mago.

A aventura começa quando Digory e Polly vão parar no gabinete secreto do excêntrico tio André. Ludibriada por ele, Polly toca o anel mágico e desaparece. Digory, aterrorizado, decide partir imediatamente em busca da amiga no Outro Mundo. Lá ele encontra Polly e, juntos, ouvem Aslam cantar sua canção ao criar o mundo encantado de Nárnia, repleto de sol, árvores, relva e animais.


O Sobrinho do Mago, na verdade, foi o 6º livro publicado, em 1955. Porém, Lewis prefere que os livros sejam lidos em uma ordem própria. Ou seja, para entender melhor a história, é aconselhável que você leia ele primeiro.

A história se passa na Londres vitoriana, em meados do século XIX. Digory e Polly se conhecem durante as férias de verão, e como nenhum deles viajou e são vizinhos, rapidamente tornam-se amigos.
Digory morava no campo, mas por conta da doença de sua mãe e por seu pai estar viajando a trabalho na Índia, o garoto se vê obrigado a morar em Londres com os tios.
Tio André, é um um velho esquisito que se diz um feiticeiro (Digory o acha doido, na verdade). Passa a maior parte do tempo em seu estúdio, no último andar da casa. Ele sempre tenta dizer à Digory o que faz, mas tia Leta nunca o deixa terminar.
- Seu tio é mesmo doido?
- Ou é doido ou então há um mistério nisso. Ele tem um estúdio no último andar e tia Leta nunca me deixa ir lá. Isso não me cheira bem. Tem mais: sempre que ele quer me falar alguma coisa na hora do jantar, ela não deixa, dizendo: "Não aborreça o menino, André." Ou então: "Digory não está nada interessado nisso."Ou: "Digory, acho melhor você ir brincar no quintal." 
Em um dia, brincando dentro de casa, Digory e Polly descobrem um túnel no sótão que pode levá-los a qualquer casa daquele lado da rua. Eles planejam ir até uma casa vazia que fica depois da de Polly, mas acabam entrando no estúdio proibido de tio André.
Horrorizadas, as crianças tentam fugir, mas o velho consegue ser mais esperto. E envia Polly a um outro mundo através dos anéis que ele mesmo fez após vários anos de estudo. Desesperado, Digory tem de resgatar a amiga dos perigos de um mundo perigoso e desconhecido.
Lá encontram a feiticeira Jadis (aquela mesma feiticeira de O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa), e numa confusão acabam trazendo-a para o nosso mundo. É claro que tio André fica fascinado com aquela mulher - de outro mundo, a mais bela que já vira, mas com uma personalidade do demônio (palavras do próprio velho).
Jadis já chega em nosso mundo querendo dominá-lo, com a ajuda do tio André. No entanto, numa tentativa desesperada de levá-la de embora, Digory e Polly acabam caindo em mais um novo mundo: a ainda não criada Nárnia.

Apesar de não ser um livro comprido, eu poderia falar bastante sobre o ele. Repleto de fantasia, não é de se espantar que seja considerado um clássico da literatura. Com uma leitura simples e fácil, é praticamente impossível se cansar de lê-lo (recomendo para crianças que estão começando a ler e até pra quem não é lá muito chegado em livros. Tenho certeza que você também vai gostar).

Eu mesmo admito que não imaginava que ia gostar tanto. Afinal, é um livro infantil (foi o que pensei). Grande engano. O Sobrinho do Mago e toda a série Crônicas de Nárnia é feito para todas as idades, pois traz lições que são essenciais para crianças levarem para a vida e até mesmo os adultos aprenderem um pouco mais.

Resumo de tudo: incrível.

Sobre o Autor


Clives Staples Lewis, conhecido com Jack pelos amigos, nasceu em Belfast, Irlanda, em 1898. Lewis e seu amigo J. R. R. Tolkien, autor da trilogia O Senhor dos Anéis, faziam parte dos Inklings, um clube informal de escritores que se reuniam num pub local para discutir ideias para as histórias. A fascinação de Lewis por contos de fadas, mitos e lendas antigas, juntamente com a inspiração trazida da infância, levaram-no a escrever O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa, um dos livros mais apreciados de todos os tempos. 

Acesse: Canal Chernobyl Games

Postagens mais visitadas deste blog

As Casas de Westeros - Casa Targaryen ATUALIZADO

| Resenha | Coisas Que o Tempo Levou, de Raimundo de Menezes

Filme: Narradores de Javé